DI abre inscrições para mestrado e doutorado em Informática 

Foto: Freepik

Primeira pós-graduação stricto sensu brasileira da área tem conceito máximo da Capes; inscrições podem ser feitas até 18 de junho

Você tem interesse em seguir carreira na área de computação e deseja ingressar em um dos cursos de pós-graduação stricto sensu mais prestigiados do país? Então aproveite a oportunidade, pois as inscrições para o mestrado e doutorado em Informática pela PUC-Rio estão abertas. As aplicações podem ser feitas até o dia 18 de junho de 2021 pela página de processo seletivo para pós-graduação no site da Coordenação Central de Planejamento e Avaliação (CCPA) da PUC-Rio. 

O resultado será divulgado até o dia 16 de julho de 2021, e a data de início das aulas do segundo semestre será divulgada em breve no calendário da PUC-Rio. Pelo menos neste ano, as aulas ocorrerão de forma online. O programa oferece bolsa de fomento ou bolsa de isenção total aos candidatos mais bem avaliados no processo seletivo. 

Segundo o coordenador da pós-graduação, Marcos Kalinowski, o mestrado e o doutorado em Informática do Departamento de Informática (DI) da PUC-Rio abrem portas tanto para a carreira acadêmica quanto para o mercado de trabalho. “Os egressos da pós-graduação do DI normalmente se tornam pesquisadores de referência, empreendedores, ou então são absorvidos por empresas internacionais de referência que valorizam uma formação de ponta, como Amazon, Facebook, Google, IBM Research, Microsoft Research, entre outras”, disse. 

O programa de pós-graduação do DI da PUC-Rio tem sua excelência reconhecida por pesquisadores e instituições nacionais e internacionais, bem como por órgãos dos ministérios de Ciência e Tecnologia e da Educação que avaliam os pesquisadores e os programas de pós-graduação do Brasil.  

Fundado em 1967, este foi o primeiro programa de pós-graduação stricto sensu na área de Computação no Brasil. Também foi o primeiro da área a obter a nota máxima (7) na avaliação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e sempre manteve o conceito desde a implantação do sistema atual de avaliação. “Ao longo dos anos, o DI tem inovado e mantido seu perfil de excelência em pesquisa e na formação de recursos humanos”, disse Kalinowski, que também atua na pós-graduação como orientador na área de Engenharia de Software.

O quadro de docentes é composto por 21 professores, cuja grande maioria é bolsista de produtividade do CNPq. O programa também conta com a colaboração dos professores eméritos do DI Antônio Furtado e Clarisse de Souza.

Diversas áreas contemplam a pós-graduação em Informática, entre elas: bancos de dados; ciência de dados; computação gráfica; engenharia de software; hipertexto e multimídia; interação humano-computador; linguagens de programação; otimização e raciocínio automático; redes de computadores e sistemas distribuídos; e teoria da computação. Cada área abrange diferentes linhas de pesquisa, como jogos e entretenimento digital; visualização 3D, computação móvel, bioinformática e inteligência artificial, entre outras. 

Como se inscrever?

Os interessados no mestrado e no doutorado em informática do DI devem entregar a documentação de inscrição requerida, que consiste em: 

  • diploma de Nível Superior; 
  • currículo atualizado;
  • duas ou mais cartas de referências, que devem ser preenchidas pelos professores indicados na inscrição através do site;
  • e formulários de inscrição preenchidos online através do site.

Além disso, o processo seletivo pede uma documentação adicional obrigatória aos candidatos ao doutorado, que consiste no plano de pesquisa pré-aprovado pelo orientador pretendido. O orientador deve integrar o quadro de docentes permanentes do Programa de Pós-Graduação do DI. 

Outro documento adicional e fortemente recomendado é o exame do POSCOMP, organizado anualmente pela Sociedade Brasileira de Computação (SBC). A realização do POSCOMP não é obrigatória, mas é indicada para candidatos que sejam: graduados em outra área, que não a de Ciência da Computação ou Informática; graduados em instituição de ensino superior estrangeira; ou que queiram confirmar ou reforçar seu perfil acadêmico. No caso da pós-graduação stricto sensu do DI, o candidato que realizou qualquer edição anterior do POSCOMP pode anexar o seu resultado.

Todos os aprovados devem confirmar a sua vinda para o programa de Pós-Graduação do DI entre os dias 19 a 23 de julho de 2021, entregar a documentação na Diretoria de Admissão e Registro (D.A.R.) da PUC-Rio e realizar sua matrícula conforme indicado no calendário da PUC-Rio

Mais informações sobre as inscrições e o processo seletivo estão disponíveis no edital do programa.

Cidades inteligentes e internet das coisas é tema de tese de doutorado do DI

Prof. Alexandre Meslin. Foto: Divulgação

Alexandre Meslin foi orientado pelos professores Noemi Rodriguez e Markus Endler; trabalho abordou aplicações para smart cities

Você já imaginou morar em uma cidade repleta de sensores e sistemas que ajudam a coletar dados e a gerenciar os aspectos do dia a dia? Talvez você não se dê conta, mas o uso da tecnologia para esses fins é uma tendência que tem crescido cada vez mais e que promete se consolidar no futuro. O desenvolvimento de aplicações para as chamadas cidades inteligentes é o ponto de partida da tese de doutorado do professor agregado do Departamento de Informática (DI) Alexandre Meslin,MUSANet: A multitier platform for developing smart-city applications“, defendida na sexta-feira (16). 

O trabalho foi orientado pela professora Noemi Rodriguez, coordenadora da graduação, e co-orientado pelo diretor do DI, professor Markus Endler, e se trata de um testbed, middleware, para a Internet das Coisas voltado para hospedar aplicações para cidades inteligentes. Esse conceito, conhecido em inglês como smart cities, está crescendo cada vez mais rápido e traz diversos benefícios para gestores e habitantes, ajudando-os em diversos aspectos como economia, educação, segurança, saúde, entre outros.

Uma cidade inteligente pode ter uma grande quantidade de sensores instalados e espalhados, com o objetivo de coletar dados que precisam ser analisados, de forma que os moradores e gestores tenham acesso às mudanças que a cidade apresentou ao longo do tempo. Portanto, cabe aos programadores a projeção de sistemas que façam esse processamento. “No futuro, quando essas cidades tiverem realmente monitoradas por milhões de sensores, elas vão precisar de um middleware geograficamente distribuído e altamente escalável”, disse Meslin. 

A pergunta que norteia o trabalho é relacionada à arquitetura que quer investigar essa distribuição de sensores. “Desenvolvemos uma arquitetura em três camadas: na nuvem (cloud), na névoa (fog) e na borda (edge), todas com capacidade de processamento para permitir que a aplicação distribua o seu processamento de forma hierárquica”, explicou. 

Diversas ferramentas em metodologias de monitoramento, emulação e captura de dados foram adicionadas nesse testbed, para que os desenvolvedores possam investigar e conhecer o sistema que eles estão desenvolvendo. Isso permite que eles investiguem a melhor forma de distribuir o processamento na nuvem, névoa ou borda, além de permitir a distribuição geográfica da computação dentro de cada camada.

Para Meslin, o trabalho foca em uma solução que não é só imediata, mas sim que poderá ser utilizada para novas aplicações, grandes cidades e muitos sensores.. “No futuro, as cidades ao redor do mundo terão milhões de sensores que vão retransmitir informações. Até que ponto a sua rede vai escalar com isso?”, indaga. 

Conciliação de estudos e do trabalho

Meslin é professor do DI desde 1995. Atualmente, ele ensina software básico e programação para os alunos de Informática e do ciclo básico de Engenharia da PUC-Rio. 

Durante quatro anos, ele foi professor e aluno do DI ao mesmo tempo – mas por não ser aluno de tempo integral, teve um pouco mais de tempo para se dedicar à tese. “Durante esse tempo, tentamos imaginar o que faríamos, para conhecer (o assunto) e saber o que já existia de sistema ao nosso redor”, contou. 

Meslin atribui o sucesso do trabalho aos orientadores, Noemi Rodriguez e Markus Endler, e à colaboração de outros laboratórios, como o Instituto de Matemática e Estatística (IME), da USP, que lhe ofereceu o ambiente para modelar a cidade; e o Laboratory for Advanced Collaboration (LAC), do DI da PUC-Rio, onde ele conseguiu processar informações e coletar os dados. Esses ambientes foram integrados no trabalho. Inclusive, o Contextnet, middleware criado dentro do LAC, é um dos sistemas citados e trabalhados dentro da tese. 

Em um vídeo publicado no YouTube do DI, Meslin explica brevemente a sua tese e apresenta as suas hipóteses, aplicações desenvolvidas e resultados. Você pode assistir aqui. Aproveite para se inscrever no nosso canal e acompanhar os nossos vídeos!

Inscrições estão abertas para seleção de mestrado e doutorado no DI

Programa de Pós-Graduação do DI/PUC-Rio tem nota máxima da CAPES e excelência reconhecida internacionalmente 

O Departamento de Informática da PUC-Rio (DI) lançou nesta segunda-feira (5) o edital de seleção para mestrado e doutorado para o primeiro semestre de 2021. As inscrições estão abertas e podem ser feitas pelo site até 16 de novembro. O Programa de Pós-Graduação do DI foi o primeiro no país a receber nota máxima (7) da CAPES, em 2003, e desde então se mantém assim. Sua excelência é reconhecida não só por órgãos dos ministérios de Ciência e Tecnologia e da Educação, como também por pesquisadores e instituições nacionais e internacionais.

A maioria dos alunos aceitos em regime de tempo integral no DI recebe bolsa de fomento ou bolsa de isenção total, e portanto não paga mensalidades. Dentre os documentos exigidos para a inscrição, é requerido um plano de pesquisa pré-aprovado pelo orientador pretendido — um dos professores do quadro de docentes permanentes do Programa de Pós-Graduação do DI. É importante entrar em contato com o orientador pretendido com antecedência para alinhar os interesses entre candidato e orientador. 

O DI forma mestres e doutores em Informática, especializados nas seguintes áreas  de concentração: 

  • Bancos de Dados (BD) 
  • Ciência de Dados – Data Science (CD) 
  • Computação Gráfica (CG) 
  • Engenharia de Software (ES) 
  • Hipertexto e Multimídia (HM) 
  • Interação Humano-Computador (IHC) 
  • Linguagens de Programação (LP) 
  • Otimização e Raciocínio Automático (OTR) 
  • Redes de Computadores e Sistemas Distribuídos (RCSD) 
  • Teoria da Computação (TC) 

Cada área de concentração tem suas linhas de pesquisa, como Jogos e  Entretenimento Digital; Visualização 3D; Computação Móvel; e Redes de Alta Velocidade. Todos os detalhes do processo seletivo, cronograma de datas, documentação e mais informações estão disponíveis no edital