Jogo criado por alunos do DI e do DAD brilha na cena internacional de games

Shape Arena já tem mais de 1700 ativações, vai concorrer no SBGames e foi convidado para o ‘Game Development World Championship 2020’

“A simplicidade é o último grau de sofisticação.” A máxima de Leonardo Da Vinci pode ser um trunfo do Shape Arena, jogo criado por alunos do ICAD/VIsionlab (Visualização, TV/Cinema Digital e Jogos) do Departamento de Informática (DI) da PUC-Rio e que está chamando atenção no mundo dos games desde o lançamento, em agosto. Já foi pré-selecionado para o Festival de Jogos no SBGames 2020 (Brazilian Symposium of Computer Games and Digital Entertainment), da SBC (Sociedade Brasileira de Computação), de 7 a 10 de novembro, e recebeu  convite para o Game Development World Championship 2020

Desenvolvido em colaboração com o DAD (Departamento de Artes & Design) da PUC-Rio,o Shape Arena conta com uma equipe de 15 estudantes, sob a supervisão dos professores Bruno Feijó, Augusto Baffa (do DI) e João Bonelli (do DAD). “Ele tem a mágica da simplicidade e o humor dos personagens: um quadrado zangado, um triângulo que gosta de se exibir, uma estrela esperta e um círculo brincalhão. O ambiente é um quadro escolar com um giz muito ativo que fica criando surpresas e obstáculos o tempo todo. O objetivo é pegar o máximo de doces”, explicou Feijó. Dois meses depois do lançamento, o jogo já tem mais de 1700 ativações na Steam, a maior loja virtual de jogos, a maioria na China, seguida de Estados Unidos e Rússia.

Luís Fernando Teixeira Bicalho, mestrando do DI que ajuda na mentoria e organização do ICAD/Vision Lab, acompanhou a equipe no desenvolvimento e do Shape Arena. “O lançamento exigiu dos membros estudar e pesquisar a melhor forma de lançar um jogo essencialmente multiplayer local em um ambiente 100% online, por conta da pandemia. Com a Steam lançando o Remote Play Together, que permite que jogos exclusivamente locais possam ser jogados online, foi preciso fazer algumas mudanças no código e ajustes na jogabilidade. Por fim, mesmo com estes desafios, o jogo foi lançado e está fazendo sucesso no mundo todo!”

Tela mostra jogador pegando um doce no Shape Arena

É importante formar pessoas com capacidade de decisão’, diz Feijó

O Professor Bruno Feijó celebra a repercussão positiva do Shape Arena e afirma que deu liberdade total para a equipe criar. “É importante que eles mesmos façam suas descobertas. É muito fácil dar uma ordem, mas isso mata a criatividade dos alunos, eles é que têm de descobrir as respostas. Só interfiro diretamente quando começam a cometer erros perigosos. Do contrário, acompanho, faço de conta que nem estou olhando… E eles fazem coisas fantásticas. É importante formar pessoas com capacidade de decisão”, disse. 

Feijó lembra outras conquistas das equipes que ele chama de “as quatro gerações do iGames (Intelligent Games)”, a parte do ICAD/VisionLab que pesquisa jogos. Alguns dos melhores resultados alcançados foram: 

  • Em 2008, The Audio Flashlight, um jogo voltado para deficiente visuais, ganhou o prêmio de Best Paper IHC 2008. O principal autor, Luis Valente, se tornou um “Nokia Champion” por vários anos consecutivos.
  • Em 2010, o BombZ ficou por 1 semana no rank Top 100 da Apple Store (sendo Top 50 em Tokyo e Top 25 em Taiwan). A mistura de ação e puzzle conquistou o mundo asiático, e investidores levaram a equipe para fundar uma start-up (Mobjoy) que, em 2012, teve o seu jogo Road Warrior entre os 5 mais vendidos nos USA no Natal. “O gênio por detrás desta realização foi o Lucas Machado, que atualmente está na Wildlife Studios”, contou o professor.
  • O Spookyard foi o segundo melhor jogo da Feira de Jogos do SBGames 2017, em Curitiba.

“As duas últimas gerações só foram possíveis graças ao professor Augusto Baffa que lidera as pesquisas em games e inteligência artificial no ICAD/VisionLab desde 2012”, ressaltou Feijó. Agora, em 2020, o Shape Arena segue com a tradição de êxitos do laboratório. 

Repercussão surpreendente

Além do sucesso na Steam, da pré-seleção para o SBGames e do convite para a competição internacional, o Shape Arena também recebeu muitas reviews positivas e ganhou um vídeo espontâneo e divertido, feito pelo canal do youtube  chamado Blended Threats Gaming. A repercussão e o convite para o Game Development World Championship 2020 foram uma agradável surpresa para a equipe e os professores. “É mais uma ótima chance de dar visibilidade internacional para o jogo. Nada como essa oportunidade para puxarmos o holofote para um jogo multiplayer brasileiro e gratuito”, afirmou Luís Fernando. 

É a terceira dele na competição. “É sempre gratificante ver seu jogo ou artigo exposto. E ter contato com os mais diversos profissionais da área. Com o Shape Arena entre os jogos de estudantes selecionados, estou na torcida para ser escolhido finalista, o que seria uma conquista inédita para o laboratório”, disse o mestrando. 

O aluno João Escarlate, game designer e líder da equipe do Shape Arena, ficou surpreso com o convite para o GDWC2020. “Agora, queremos inscrever também nosso novo projeto, um ‘tamagochi’, jogo em que você cuida de um bichinho. Se tudo der certo, vamos inscrevê-lo até o fim do ano e veremos no que vai dar.” 

Ficha Técnica (Shape Arena Team):

Project Lead Game Designers: Pedro Gomes, João Escarlate

Programmers: Felipe Zarattini, Gabriel Vasconcellos, Maurício Lana, Nicholas Camargo, Pietro Pepe, Thomas Mergener Mendes 

Artists/Animators: Bianca Copello, Flávia Proença, Gabriella Lima, Mariana Souza 

Sound Designers: Felipe Holanda Bezerra, Luis Cláudio Martins, Otto Rodrigues

Supervisors: Bruno Feijó, Augusto Baffa, João Bonelli

 

Continue reading

Antonio Furtado e Bruno Feijó falam sobre storytelling e jogos em live

Professores apresentarão o seminário ‘Entretenimento Digital, Jogos e Narrativa Computacional’ ao vivo pelo Youtube

 

Storytelling interativo é um gênero de entretenimento digital com aplicações em TV/Cinema Digital, mas que também tem aplicações em simulações na indústria, no mundo corporativo e até mesmo em  mineração de dados/processos e data science. Especialistas na área, os professores do DI da PUC Antonio Furtado e Bruno Feijó, criadores do primeiro grupo de pesquisa da América Latina de Storytelling Interativo e Narratologia Computacional, farão uma live sobre o tema nesta sexta-feira (2), às 15h, no YouTube. Para todos os interessados no assunto será uma rara oportunidade de ver Furtado, professor emérito que ajudou a criar o DI, palestrando. Ele e Feijó, fundador do  ICAD/Vision Lab (Laboratório de  visualização, TV/Cinema digital e jogos), vão apresentar o seminário “Entretenimento Digital, Jogos e Narratologia Computacional”.

O Storytelling está se tornando elemento essencial nos jogos digitais da nova geração e as técnicas de storytelling interativo também podem ser ferramentas poderosas  de auxílio para autores de roteiros convencionais. A questão da narrativa também surge em situações  complexas de espalhamento de rumores e fake news no ciberespaço. 

É uma área que se  fundamenta em computação, literatura e psicologia. A natureza interdisciplinar levou a uma  parceria recente entre os Departamentos de Informática e de Psicologia da PUC-Rio. Narratologia computacional é o estudo da narrativa do ponto de vista de computação e processamento de informação que permite criar, interpretar e estruturar narrativas em termos de representação  computacional. 

Estes dois conceitos fazem parte de uma visão ainda mais abrangente, chamada Entretenimento Digital. Nesta visão, como resultado da integração de narrativa, visualização e simulação, surgem manifestações  complementares de muito impacto, tais como realidade estendida (XR), efeitos visuais (VFX) e jogos. “Quase tudo é uma questão de narrativa. E entretenimento digital é computação séria, muito séria. Em jogos, por exemplo, levamos a tecnologia a extremos. Jogos são ‘a Fórmula 1’ da computação, além de serem muito divertidos”, analisa Feijó.

O professor Augusto Baffa, que lidera os maiores projetos de pesquisa do laboratório ICAD/VisionLab, muitos na área de game AI (inteligência artificial em jogos), explica: “Com o advento dos  jogos de mundo aberto, o storytelling faz com que, cada vez que você joga, o jogo tenha uma história  diferente, com acontecimentos inesperados que surpreendem até mesmo o autor do jogo. Ou seja: o enredo não fica estático, como na maioria dos jogos atuais”.

Esta é a quarta rodada da série de lives do DI, que já abordou temas como: Ciência de Dados e a escalada para valorização dos dados na estreia; compressão de provas lógicas e a conjectura NP=SPACE com a pesquisa que impactou o mundo da computação e a Web-of-Data e data integration, que foi o tema da última sexta (25). Se inscreva no canal e ative o lembrete para não perder as próximas edições!