Por Dentro do DI: Instituto Tecgraf é pioneiro em parceria com indústria

O diretor do Tecgraf/PUC-Rio, prof. Marcelo Gattass (segundo à esquerda), ao lado de colaboradores do Instituto, no estande do Tecgraf na Rio Oil & Gas 2018. Foto: Reprodução / Instituto Tecgraf/PUC-Rio

Laboratório, que tem a computação gráfica como área de pesquisa, colabora há mais de 30 anos com a Petrobras

Mais de três décadas de pesquisa e desenvolvimento na área de computação gráfica, e uma sólida parceria com a indústria. Esses são alguns dos atributos do Instituto Tecgraf vinculado ao Departamento de Informática da PUC-Rio. O laboratório é coordenado pelo professor do DI Marcelo Gattass e desenvolve sistemas computacionais, simulações numéricas, computação distribuída e visualização gráfica interativa tridimensional.

O instituto nasceu como um ponto de interseção da Informática com os departamentos de Engenharia Civil e Matemática da universidade. Foi criado em 1985, pelo professor Luís de Castro Martins, que era diretor do Rio Data Centro (RDC) da PUC-Rio. A ideia era desenvolver a área de computação gráfica no campus. 

Abrigados em duas salas dentro do RDC, a missão da equipe inicial do Tecgraf era também ajudar no desenvolvimento da biblioteca GKS/PUC, uma implementação nacional do então padrão internacional Graphical Kernel System, usado para desenvolver programas gráficos interativos. 

Gattass fez parte daquele primeiro núcleo, e logo passou a liderar os trabalhos desenvolvidos por lá, o que chamou a atenção da diretoria do DI. Após o convite do então diretor, José Lucas Rangel, Gattass ingressou no nosso departamento, assim como o Tecgraf, que foi totalmente abraçado pela Informática da PUC-Rio até 2013. Foi neste ano que o laboratório se tornou um instituto diretamente ligado à Vice-Reitoria de Desenvolvimento da universidade. 

Segundo Gattass, o atual objetivo é manter o Tecgraf engajado tanto no ambiente acadêmico quanto na sociedade de uma forma geral. “Eu sempre procurei fazer algo que colocasse a PUC como uma universidade de produção de conhecimento, de formação de pessoas de excelência”, define. 

Leia também: Perfil: Marcelo Gattass trouxe parcerias com empresas e indústria ao DI

Parceria com a indústria

Não há como falar do Tecgraf sem destacar sua longa colaboração com o setor industrial. A principal parceira do grupo é a Petrobras. A cooperação com a empresa vem desde a criação do Instituto. 

De lá para cá, o Tecgraf desenvolve, implementa e mantém diversos sistemas em operação na Petrobras, nas áreas da exploração, produção e abastecimento, e também com foco na segurança e na proteção do meio ambiente. Um dos projetos de responsabilidade do instituto é justamente o do sistema que previne derramamento de petróleo dos navios e plataformas da Petrobras. “A gente ajudou muito o setor a se tornar mais seguro e a combater vazamentos”, conta Gattass. 

Marcelo Gattass durante inauguração do Prédio Pe. Laércio em 17 de outubro de 2013. Foto: Arquivo pessoal

O Tecgraf também tem projetos em parceria com empresas como Transpetro, GE Brasil, Eneva, Shell Brasil e Marinha do Brasil. O Instituto também colabora com outros departamentos acadêmicos da PUC-Rio e instituições de ensino e pesquisa nacionais e internacionais.

Além da indústria de óleo e gás, o instituto trabalha nos setores de segurança, entretenimento e medicina, atuando de forma ampla em diversas áreas de competência, como Modelagem e Simulação Computacional, Gestão de Dados e Ciência de Dados, Tecnologias de Interatividade Digital,  Indústria 4.0 e Otimização e Logística. “Nosso intuito é buscar o envolvimento dos alunos em um trabalho que seja relevante, e gerar riqueza com isso”, explica o professor. 

A longa e abrangente associação com o setor industrial rendeu diversos prêmios e conquistas ao Tecgraf, ao Gattass, aos seus colaboradores e à própria universidade. Recentemente, a Ciência da Computação da PUC-Rio conquistou o 1º lugar na lista de cursos de universidades brasileiras da área que mantêm projetos com a indústria no Emerging Economies University Rankings 2021, divulgado pela prestigiosa revista inglesa “Times Higher Education”. “Grande parte do nosso reconhecimento com a indústria vem do Tecgraf”, ressalta o diretor do DI, Markus Endler. 

Equipe ampla e engajada 

Em 1987, o Tecgraf começou com uma equipe de 12 pessoas. Hoje, são mais de 400 colaboradores, que trabalham em projetos dos mais diversos clientes. Tamanho crescimento exigiu preparo e suporte. Na coordenação das gerências que compõem o Tecgraf hoje, está o gerente geral técnico e ex-aluno do DI Carlos Cassino. É ele quem mapeia as novas demandas e busca estimular um trabalho colaborativo em prol dos bons resultados. “Meu papel é ter uma visão geral do que os grupos estão fazendo, tentar integrá-los e fazer prospecção com empresas para buscar novos projetos”, explica.

Equipe do Tecgraf responsável por desenvolver o Projeto CCPD – Centro de Controle de Proteção de Dutos para a Transpetro: Ricardo Terzian, Leonardo Barros, Douglas Carriço, Maria Julia Lima, Samir Azzam, Silvio Hamacher, Carlos Cassino, Carlos Coutinho Netto, Rodrigo Iaigner (em pé da esquerda para direita); Melissa Lemos, Daniel Gonçalves e Rodnei Silva Couto (sentados da esquerda para direita). Foto: Reprodução / Instituto Tecgraf/PUC-Rio

Por sua vez, a pesquisadora Melissa Lemos, ex-aluna do DI, é a gerente de projetos na área de big data, trabalhando com busca e integração de dados. Um dos que estão sendo tocados por sua equipe é o Danke, com um tecnologia de busca de dados que não exige que os usuários tenham habilidades técnicas específicas para pesquisar, recuperar, explorar e resumir informações em bancos de dados.

Esse modo de operar do Danke é usado em produtos pensados para vários clientes do Tecgraf, como a Petrobras. “Já aplicamos busca para diversos projetos da indústria de óleo e gás, como, por exemplo, na área de inspeção, manutenção e segurança de plataformas”, conta Melissa. Mais recentemente, o Danke foi utilizado em aplicações web para ajudar a extrair dados relacionados à Covid-19.

Para os pesquisadores, o crescimento do Tecgraf é fruto de um ambiente colaborativo e de valorização de pessoas. “Precisamos fazer com que o conhecimento reflita para todo o ambiente, gerando uma espiral positiva que atraia cada vez mais alunos e pessoas”, disse o professor. 

Se você é aluno de graduação, mestrado ou doutorado e tem interesse em saber mais sobre o Tecgraf e em como ingressar no instituto, acesse a área de Trabalhe Conosco do site e acompanhe as suas redes sociais, no Facebook e no LinkedIn.

 

Desenvolvimento de sistemas nativos de nuvem é tema de live da graduação

Maria Julia Dias de Lima. Foto: Arquivo pessoal

Nesta quinta (8), série recebe a gerente de projetos do Tecgraf Maria Julia Dias de Lima 

Para dar continuidade à série de lives da graduação, o YouTube e o Facebook do Departamento de Informática (DI) vão transmitir, nesta quinta-feira (8), às 18h, a palestra “Desenvolvimento de Sistemas Nativos de Nuvem pelo Tecgraf”, com a gerente de projetos do Instituto Tecgraf Maria Julia Dias de Lima. A apresentação será conduzida pela coordenadora de graduação do DI, Noemi Rodriguez.

Maria Julia vem liderando projetos na área há quase 20 anos. A professora falará da sua atuação em desenvolvimento de sistemas, do desafio de se manter uma equipe atualizada em relação à evolução tecnológica e dos projetos elaborados por seu grupo no Instituto Tecgraf. “Falaremos sobre os projetos que desenvolvemos com tecnologias de sistemas distribuídos e padrões arquiteturais, que se beneficiam de infraestruturas elásticas, como é o caso típico da nuvem”, ela antecipa. 

Durante o bate-papo, Maria Julia vai explicar como se dá a colaboração com professores do DI, e contar das adaptações feitas no sistema de trabalho durante este período de pandemia da Covid-19. “O grupo liderado pela Julia tem um nível técnico muito alto, mantendo-se atualizado através de estudos e da sua interação com a pesquisa realizada no Departamento de Informática”, diz Noemi. 

Os seminários da graduação ocorrem duas vezes por mês. A segunda quinta-feira do mês será dedicada a um profissional atuante no mercado de desenvolvimento de software – como é o caso de Maria Julia. Já a última quinta será a vez de receber um professor do DI, que compartilhará sua experiência profissional. No mês passado, o professor emérito Arndt von Staa participou do bate-papo.

Para não ficar de fora e acompanhar os seminários da graduação, inscreva-se no nosso canal no YouTube e ative o lembrete! E não se esqueça que todas as lives também são transmitidas ao vivo pela nossa página no Facebook!

Perfil: Marcelo Gattass trouxe parcerias com empresas e indústria ao DI

Professor titular e diretor do Instituto Tecgraf, Gattass tem uma visão empreendedora e um compromisso com a disseminação do conhecimento

Hoje é dia de conhecer mais sobre a carreira e as conquistas dos pesquisadores do DI. Vamos apresentar o perfil do professor titular e diretor do Instituto Tecgraf, Marcelo Gattass. Confira!

Produzir conhecimento e transmiti-lo para a sociedade. Essa é a missão do professor titular do Departamento de Informática (DI) e diretor do Instituto Tecgraf, Marcelo Gattass. “Eu comecei o clico básico do CTC da PUC-Rio pensando em fazer Matemática, mas não persisti nessa ideia porque não sabia como nela eu poderia interagir com a empresas. Minha preocupação foi tão grande que acabei me graduando na engenharia que na minha visão na época era a mais aplicada, a Engenharia Civil”, disse o professor. Mas como um engenheiro civil foi parar no DI? Para contar essa história, que está profundamente ligada à PUC-Rio, precisamos voltar um pouco no tempo.

Nascido em Mato Grosso do Sul, ainda jovem se mudou para o Rio de Janeiro. Quando estava no ensino médio, não sabia qual carreira seguir, até que o recomendaram ir ao serviço de atendimento da PUC-Rio, que oferecia orientação vocacional. “Quando cheguei lá, eu vi o Campus e foi algo muito forte para mim. Eu queria ficar perto daquelas árvores, daquele bosque, daquele ambiente. Não sabia o que queria estudar, mas sabia que queria estudar lá”, lembrou Gattass, que atribui sua conexão com a natureza à infância no Pantanal.

Se formou em Engenharia Civil pela PUC-Rio em 1975, começou a dar aulas no DEC nesse período e fez o mestrado na mesma área em 1977. Mas sua atuação mais direta em Informática ocorreu durante o doutorado em Engenharia Civil na área de Computação Gráfica da Universidade de Cornell, nos Estados Unidos.

“Quando cheguei em Cornell, estava iniciando um grande projeto interdisciplinar em Computação Gráfica, envolvendo diversos departamentos e empresas apoiado pela NSF”, disse Gattass, atribuindo à “sorte” a sua chegada em Cornell naquele momento.

Após o fim do programa de doutorado, ele retornou ao departamento de Engenharia Civil da PUC-Rio e começou a trabalhar na construção de relacionamento com empresas em torno da área de computação – algo até então incomum nas universidades do Brasil na época. “Em Cornell, Gattass teve contato com a mentalidade de que a universidade pode fazer projetos com a indústria. Ao voltar para a PUC, ele trouxe essa bagagem com ele e mudou completamente a forma de trabalhar, sobretudo dentro da informática”, disse o atual diretor do DI, Markus Endler.

O Instituto Tecgraf e o ingresso ao DI

O professor deu mais um passo em direção ao nosso departamento após a criação do Grupo Tecgraf da PUC-Rio, em 1987, que envolvia os departamentos de Informática, Engenharia Civil e Matemática. O objetivo do Tecgraf é desenvolver sistemas computacionais  de modelagem e simulação computacional, gestão de dados e ciência de dados, tecnologias de interatividade digital, Indústria 4.0 e otimização e logística.

Gattass fez parte da primeira equipe do projeto, que tinha como meta o desenvolvimento da biblioteca GKS/PUC, uma implementação nacional do então padrão internacional de um Graphical Kernel System para o desenvolvimento de programas gráficos interativos.

Desde o início das suas atividades, o Tecgraf estabeleceu uma parceria com a Petrobras, que se mantém sólida até os dias de hoje. Com o passar do tempo, o trabalho desenvolvido lá dentro, que era liderado por Gattass, chamou a atenção da diretoria do DI. O então diretor José Lucas Rangel o convidou para fazer parte do departamento, primeiramente assumindo o Instituto de Tecnologias de Software (ITS) e, depois, integrando o corpo docente. “Eu continuei essa minha carreira como professor no DI e, ao mesmo tempo, como coordenador do Tecgraf”, disse Gattass.

Inauguração do Prédio Pe. Laércio em 17 de outubro de 2013. Na foto (esq. para dir.): o superintendente de pesquisa e desenvolvimento tecnológico da ANP, Elias Ramos; o reitor da PUC-Rio, Pe. Josafá Carlos de Siqueira; o então diretor de E&P da Petrobras, José Formigli; e o professor Marcelo Gattass. Foto: Arquivo pessoal

Com o passar do tempo, o trabalho do Tecgraf foi totalmente abraçado pelo DI, até que em 2013 tornou-se um instituto diretamente ligado à vice-reitoria de desenvolvimento da universidade. Hoje, o Tecgraf desenvolve projetos em parceria com diversas empresas e indústrias, como a Petrobras, Transpetro, GE Brasil, Eneva, Shell Brasil e Marinha do Brasil. O instituto ainda mantém colaborações com diversos departamentos acadêmicos da PUC-Rio, e com outras instituições de ensino e pesquisa nacionais e internacionais.

Apesar do instituto ter se tornado uma unidade independente do DI, o professor se mantém ativo na graduação e na pós-graduação, onde aborda diversos assuntos voltados à Computação Gráfica e Visão Computacional. “Ele sempre está presente nas reuniões, contribuindo com opiniões sensatas e importantes, e ajudando o departamento”, destacou Endler.

Conquistas e honrarias

Trajetória de Gattass foi laureada com diversos prêmios e honrarias, como o Prêmio de Comendador da Ordem do Mérito Científico, em 2000, a Grã-Cruz da Ordem Nacional Mérito Científico do Ministério de Ciência e Tecnologia, em 2007, e o Prêmio Personalidade Inovação de 2019 da ANP, em 2019.

Para o professor, seu trabalho à frente do Tecgraf foi responsável por grande parte de suas conquistas. E não era para menos: segundo ele, o objetivo do instituto era colocar a PUC-Rio como uma universidade voltada à produção de conhecimento e à formação de excelência, num modelo acadêmico financeiramente autossustentado.

Também é necessário destacar o crescimento do Tecgraf ao longo dos anos. Além do grande número de parcerias, o instituto mantém uma equipe que, hoje, ultrapassa 400 pessoas – financiadas diretamente pelos seus projetos. Segundo o professor, o o Instituto apoia com bolsasos alunos de mestrado e doutorado que participam dele. Mas ele tem outro desejo: poder fazer o mesmo pelos graduandos.

“É um sonho dar uma bolsa integral a um aluno de graduação, para ele possa pagar com seu trabalho sua educação”, disse, frisando a o valor do conhecimento para a sociedade.

Sua visão humanista, o seu cuidado com o próximo e a sua vontade de fazer a diferença também são pontos que reforçam as suas conquistas, estimulam o trabalho dentro e fora do ambiente acadêmico, e chamam a atenção dos seus pares e pessoas ao redor.

O gerente geral técnico do Instituto Tecgraf e ex-aluno do DI, Carlos Cassino, trabalha com Gattass desde 1993. Para ele, o professor criou uma forte cultura de valorização de pessoas dentro do instituto – e Cassino se sente parte desse meio.

“Quando eu estava no doutorado, ele tinha um curso de introdução à computação gráfica, e me pediu para dar aula naquela turma”, contou. Só que tem um detalhe: a pesquisa de Cassino era voltada à parte de linguagens e sistemas distribuídos.

“Levei essa questão ao professor Gattass e ele disse que não tinha problema. O seu foco era com que os alunos aprendessem bem a parte de orientação de objetos e de linguagem em Java, que é a minha área. Então você vê: ele olha para as situações e sempre busca uma forma de ajudar as pessoas e de tirar o melhor delas”, explicou o ex-aluno do DI.

A positividade do professor também é um ponto destacado por Endler. “Admiro muito a sua tranquilidade e o seu senso de humor. Ele é uma pessoa muito positiva, até mesmo nas situações difíceis”, finalizou o diretor do DI.

Alberto Raposo apresenta live sobre computação visual inteligente

Transmissão será na sexta (19), às 15h, no YouTube do DI, e professor apresentará resultados de pesquisas do Tecgraf

Nesta sexta-feira (19), às 15h, o professor do Departamento de Informática (DI) Alberto Raposo apresentará a live “Desafios e oportunidades em computação visual inteligente”. Raposo falará das pesquisas realizadas pelo Grupo de Realidade Virtual e Aumentada do Instituto Tecgraf sobre a chamada computação visual inteligente. Os trabalhos fazem uso de inteligência artificial para aumentar o potencial de aplicações da computação visual. A palestra será transmitida ao vivo pelo canal do DI no YouTube e na página do Facebook

Segundo o professor do DI, essa é uma área que tem sido cada vez mais usada na engenharia, saúde, indústria, educação e por governos, inclusive no setor militar. “A pesquisa em computação visual apresenta inúmeras oportunidades e desafios decorrentes do seu uso cada vez mais amplo”, afirma. 

Ainda de acordo com Raposo, o cenário se assemelha ao da área de inteligência artificial em termos de possibilidades e dificuldades. “Por exemplo, técnicas de aprendizado de máquina têm revolucionado a área de visão computacional, pela sua capacidade de reconhecer e classificar características ou objetos da imagem, assim como acontece com o processamento avançado de geometrias 3D”, explica.

A live faz parte da série de seminários on-line da pós-graduação do DI, que tem como objetivo aproximar a sociedade dos resultados de pesquisas e desenvolvimento do Departamento. Você pode acompanhar a apresentação no canal do DI no YouTube, com transmissão simultânea no Facebook. Inscreva-se e ative o lembrete para não perdê-la!